Escola Estadual de Cajazeiras concorre hoje à noite ao Prêmio Nacional de Educação Fiscal

  • Autor: Nova Opinião - Data 28/11/2018

A Escola Estadual Dom Moisés Coelho, da cidade de Cajazeiras, única do Norte-Nordeste finalista do Prêmio Nacional de Educação Fiscal da FEBRAFITE (Federação Brasileira de Associações de Fiscais de Tributos Estaduais), concorre nesta quarta-feira (28) à noite ao ‘Oscar da Cidadania Fiscal’ 2018. A solenidade vai acontecer na Embaixada da Espanha, em Brasília. 

 A premiação tem como objetivo homenagear as instituições, escolas e jornalistas responsáveis por criar e transformar ideias em projetos inovadores que atuam com a temática da função social dos tributos e a correta aplicação dos recursos públicos. A Escola foi vencedora do prêmio estadual da Associação dos Auditores Fiscais do Estado da Paraíba (AFRAFEP) e indicada ao prêmio nacional.

 Intervenção pedagógica – O projeto da Escola Estadual Dom Moisés Coelho é de autoria do professor José de Ribamar Bringel Filho, que focou em estimular os alunos a pensar criticamente e exigir os seus direitos na formação como foco do Projeto de Intervenção Pedagógica. “Nosso projeto com tema Educação Fiscal: Uma Jogada de cidadania se pautou numa proposta de inserção da Educação Fiscal na dinâmica escolar como forma de garantir o acesso aos conceitos de Educação Fiscal na Escola. A escolha da temática Educação Fiscal como proposta de melhoria do aprendizado nessa escola foi intencional, pois percebemos que, para trabalharmos essa temática, traçaríamos muitas ações destinadas ao aprendizado dos conteúdos que os alunos precisam aprimorar. Então veio a problemática: é possível a inserção da Educação Fiscal no currículo escolar do Ensino Fundamental de modo que, por meio de práticas pedagógicas inovadoras, e com perspectivas transdisciplinares, seja possível realizar ações para a conscientização do valor social do tributo, e para a fiscalização dos gastos públicos? Partindo dessa problemática tivemos como objetivo geral para nossas ações de 2018, desenvolver na  Escola Dom Moisés práticas pedagógicas inovadoras que possibilitem o ensino de educação fiscal de modo a promover na comunidade escolar consciência cidadã”, sintetizou o professor.

 Segundo Ribamar Bringel, ser finalista como professor da escola pública pelo segundo ano consecutivo e o único das regiões Norte-Nordeste “é uma grande satisfação para todos que fazem parte da comunidade escolar. É uma indicação que mostra que estamos oferecendo educação pública de qualidade e com princípios práticos para nossos estudantes. Saber que estamos levando conhecimento para futuros cidadãos é nosso grande prêmio de 2018. Vale ressaltar que a interação entre a gestão, professores, alunos e funcionários fazem a grande diferença para que nosso projeto apresentasse grandes resultados como: a melhoria do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica da Paraíba (IDEPB) de 2018, a premiação da Associação dos Auditores Fiscais do Estado da Paraíba (AFRAFEP) em nível estadual e, agora, a Indicação na categoria escola no Prêmio Nacional de Educação Fiscal em nível nacional. Enfim, já nos sentimos vitoriosos com todas as nossas conquistas desse ano letivo e estamos esperançosos que teremos mais vitórias com os resultados finais em Brasília”, destacou.

 Na edição do ano passado, o projeto do professor José de Ribamar Bringel Filho, da Escola Cidadã Integral Técnica Profª. Nicéa Claudino Pinheiro, também do município de Cajazeiras-PB, ficou na segunda posição entre todos os projetos inscritos no país.

 Finalistas 2018 - A comissão formada pela Febrafite, em Brasília, selecionou ao todo 14 finalistas de três categorias, sendo seis da categoria Escolas. Os jurados avaliaram 220 projetos do país (divididos nas categorias escolas, instituições e reportagens) em uma primeira fase. Na segunda etapa, foram selecionadas 54 instituições, sendo 32 escolas e 22 reportagens. Na última semana, seis escolas foram selecionadas pelos jurados. Uma da Paraíba, três do Rio Grande do Sul e duas de Minas Gerais.

 Referência do país - Para o coordenador-geral do Prêmio, Rodrigo Spada, o prêmio Febrafite ‘se tornou referência no país ao adotar uma postura cidadã de toda a sociedade. É a prova de que podemos fazer a diferença. A educação fiscal promove o pleno exercício da democracia e, nesse sentido, é capaz de dar visibilidade a projetos que trabalham o tributo como sendo o principal elemento de promoção das políticas públicas’, explica.

Fonte: Resenha Politika

Desenvolvido por Quick
Todos os direitos reservados ao portal Nova Opinião