Ex-procurador-geral de Justiça do RJ, Cláudio Lopes é preso

  • Autor: Nova Opinião - Data 08/11/2018

Alvo de uma investigação do órgão que chefiava (MP-RJ), ele foi preso em casa, no Recreio dos Bandeirantes, na Zona Oeste do Rio.

O ex-procurador-geral de Justiça do Rio de Janeiro, Cláudio Lopes, foi preso na noite desta quinta-feira (8). Ele foi preso em casa, no Recreio dos Bandeirantes, na Zona Oeste do Rio.

Cláudio Lopes é alvo de uma investigação do Ministério Público do Rio de Janeiro, que indica que ele recebeu propina para 'blindar' a organização chefiada pelo ex-governador Sérgio Cabral.

Um suposto esquema envolvendo Lopes e Cabral consta na delação de Carlos Miranda - o mesmo operador de Cabral cujo testemunho desencadeou a Operação Furna da Onça nesta quinta.

Ex-procurador é afastado do Ministério Público

Ex-procurador-geral de justiça do RJ é preso

O Ministério Público do Estado fez a denúncia no início de outubro contra quatro envolvidos em esquema comandado pelo ex-governador Sérgio Cabral – entre eles, o ex-procurador-geral de Justiça Cláudio Lopes.

Além de Cabral e Lopes, foram denunciados o ex-secretário de Governo, Wilson Carlos, e Sérgio de Castro Oliveira , conhecido como Serjão.

Os quatro foram denunciados por formação de quadrilha, corrupção passiva e ativa, além de e quebra de sigilo funcional, crimes cometidos entre o final de 2008 e dezembro de 2012. O processo está sob sigilo.

O que diz a delação

Segundo Miranda, que era operador financeiro de Cabral, o ex-procurador-geral de Justiça, Cláudio Lopes, recebia uma mesada do ex-governador.

O RJ2 teve acesso ao resumo do que Carlos Miranda contou no anexo 19 da delação premiada. O documento, de 6 de março de 2018, está assinado pelo ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal.

Miranda disse que o ex-governador Sérgio Cabral fez pagamentos ilegais ao ex-procurador-geral de Justiça do Ministério Público do Rio de Janeiro, Cláudio Soares Lopes.

Carlos Miranda relata que, no fim de 2008, durante a campanha de Cláudio Lopes para procurador-geral, Wilson Carlos, então secretário de governo, e Sérgio Cabral, pediram que ele separasse R$ 300 mil para entregar a Cláudio Lopes.

Miranda disse que tal valor deveria ser supostamente gasto na campanha para a eleição de Cláudio Lopes.

 

O delator conta que os recursos solicitados foram separados e entregues a Sérgio de Castro Oliveira, o Serjão, um dos operadores financeiros do grupo do ex-governador, para entrega a Wilson Carlos, que ficou encarregado de entregar a Cláudio Lopes.

Claúdio Lopes tomou posse como procurador-geral de Justiça do Rio de Janeiro em janeiro de 2009, prometendo combater a corrupção.

Carlos Miranda contou na delação que mesmo depois de assumir o cargo, Claudio Lopes continuou a receber dinheiro do grupo do ex-governador Sérgio Cabral. Segundo Miranda, o procurador-geral recebia uma mesada.

Investigações não foram adiante

Durante a gestão de Cláudio Lopes, investigações importantes ligadas ao ex-governador não foram adiante. Entre elas, a contratação do escritório de advocacia da ex-primeira-dama, Adriana Ancelmo, por concessionárias do estado e o empréstimo do jatinho do empresário Eike Batista ao então governador para uma viagem a Bahia, onde foi comemorado o aniversário do empreiteiro Fernando Cavendish.

Fonte: G1

Desenvolvido por Quick
Todos os direitos reservados ao portal Nova Opinião