Propina era paga em parcelas de R$ 500 mil para caber em mochila, diz ex-Odebrecht

  • Autor: Redação - Data 24/03/2017

O ex-diretor da Odebrecht Hilberto Mascarenhas relatou ao Tribunal Superior Eleitoral que uma das regras para o pagamento de propina a políticos e intermediários era que o pagamento máximo feito em dinheiro não poderia ultrapassar R$ 500 mil. Ele explicou que a regra se devia ao fato de que a quantia era o máximo que cabia em uma mochila.

No início de março, o executivo falou ao TSE como testemunha nas ações que tramitam no tribunal pedindo a cassação da chapa Dilma Rousseff-Michel Temer por suposto abuso de poder político e econômico na eleição presidencial de 2014.

Mascarenhas era o responsável pelo Departamento de Operações Estruturadas da Odebrecht, setor que ficou conhecido como departamento de propina.

Ao narrar como se dava o repasse de propina, o ex-executivo afirmou que, ao tomar conhecimento dos pagamentos a serem feitos, ele e sua equipe tinham que "criar uma alternativa" para disfarçar o montante.

"Se eu tenho um pagamento de R$ 2 milhões, isso é uma mala. Ninguém pode estar transitando na rua com uma mala com R$ 2 milhões. Então, existiam também regras como, por exemplo, o valor máximo a ser pago era de R$ 500 mil, que cabia dentro de uma mochila", afirmou o ex-dirigente da Odebrecht.

"Se você tinha R$ 2 milhões a receber, você ia receber quatro vezes 500 [mil]. E aí tinha que ser combinado alguma coisa. Mas nem sempre, ministro, com o interessado final. Às vezes, tinha muito preposto", explicou.

Durante o depoimento, Mascarenhas também relatou que os pagamentos em dinheiro eram feitos em "todos os lugares", desde hotéis a "cabaré".

"Em todos os lugares. Você não tem ideia dos mais lugares absurdos se encontra, no cabaré...", narrou.

Dinheiro para tempo de TV

Outro ex-executivo da empreiteira Odebrecht, Alexandrino Alencar, disse que o tesoureiro da campanha de Dilma Rousseff, Edinho Silva, atual prefeito de Araraquara, pediu dinheiro para comprar tempo de TV, no horário eleitoral, de cinco partidos, tudo por caixa dois. Ele afirmou que ficou responsavel pelo pagamento de três siglas: Pros, PCdoB e PRB.

Alexandrino foi questionado se ouviu que o valor para comprar o tempo dos partidos era de R$ 7 milhões. Ele respondeu que sim e que ouviu esse valor pessoalmente de Edinho Silva.
Alexandrino afirmou ainda que os outros dois partidos que venderam o horário eleitoral foram o PDT e o PP.

Segundo o ex-executivo da Odebrecht a contribuição pelo caixa dois foi maior do que a oficial, considerando os valores dados aos partidos da base.

Edinho Silva afirmou que todas as doações da Odebrecht ocorreram de forma ética, dentro da lei e estão declaradas e aprovadas pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Em nota, o PT afirmou que não comenta declarações, que deveriam estar sob sigilo de Justiça e foram obtidas por intermédio de vazamentos.

O PDT reiterou que não recebeu dinheiro de caixa dois e que o ônus da prova cabe ao acusador, que, segundo o partido, ainda não provou o que diz.

O PROS, o PRB e o PCdoB negam o recebimento de dinheiro de caixa dois e afirmam que todas as doações recebidas foram declaradas à Justiça Eleitoral.

Até a última atualização desta reportagem, o PP não havia sido localizado para comentar a denúncia.

Fonte: G1

Desenvolvido por Quick
Todos os direitos reservados ao portal Nova Opinião