Reudesman Lopes - reudesman@gmail.com

Natural de Cajazeiras-PB, é Graduado em Educação Física e com Especialização em Ginástica Escolar. Servidor Público Federal da Universidade Federal de Campina Grande, Centro de Formação de Professores de Cajazeiras, Escola Técnica de Saúde de Cajazeiras. Comentarista Esportivo da Rádio Alto Piranhas e Colunista do Jornal Gazeta do Alto Piranhas.

Não deu, mas eu já sabia — Por Reudesman Lopes

  • Postado em 30-07-2017

Logo após a finalização do Campeonato Paraibano 2017 e consequentemente a classificação do Atlético Cajazeirense de Desportos como quarto colocado, logo, os mais apaixonados atleticanos, trataram de iniciar um sonho de ver o futebol cajazeirense de volta as disputas de uma competição nacional, para tanto, precisaria que o Campinense Clube conseguisse o seu acesso à Série C em 2018. Aqueles fieis torcedores mais próximos a nós, tratei imediatamente de não acalentar sonhos tão ousados. Muitos me indagavam pelo meu tamanho pessimismo que bem antes da bola rolar para esta competição da Série D já pregava que seria um enorme milagre o rubro negro conseguir êxito neste campeonato e assim sendo, deixar a vaga 2018 da Paraíba para o Trovão Azul do Sertão. Óbvio que como atleticano a nossa torcida foi para que a Raposa pudesse calar a minha fala e o nosso azulão pudesse reviver a chegada a um campeonato nacional. Mas, uma coisa é ser o torcedor, apaixonado e que sempre acredita que o seu time vai chegar aos seus objetivos, outra coisa é ser analista, comentarista, a visão se torna bem diferente, pois entra em campo a razão e não a ficção. O que me tornou tão pessimista quanto ao Campinense chegar ao acesso à Série C em 2018? Tudo. Começo com o planejamento raposeiro para 2017. Deu tudo errado e os desacertos já se iniciaram quando do início desta temporada. O Campinense sempre se mostrou um time longe daqueles outros que conseguira organizar e a comprovação desta nossa fala diz bem a troca de treinadores e o caminhão de jogadores que iam e vinham do Renatão sem consolidar um futebol que a torcida rubro negra tanto sonhava e o time foi derrotado pelo seu rival o Treze nas semifinais do Paraibano. Quando veio o brasileirinho da Série D, falei em diversas rodadas de papo de futebol que ninguém esperasse “boa coisa” do Campinense e deu no que deu. Para nós ele ainda obrou o milagre de passar da primeira fase, mas, era evidente que com aquele futebolzinho que estava jogando não chegaria a terceira fase e após um fracassado jogo em casa contra o Fluminense de Feira quando empatou em 1 a 1 em seus domínios no Amigão em Campina Grande ficava evidente que em Feira de Santana o Flu jogaria com o regulamento debaixo dos braços e foi o que realmente aconteceu. Quanto ao Atlético Cajazeirense de Desportos, é formar um grande time para 2018 e acreditar apenas em si, nos seus resultados e não ficar a depender de outro clube.

Índio sincero

Logo após a eliminação do Sousa Esporte Clube nas penalidades máximas após o Guarany de Sobral devolver os mesmos 3 a 1 que perdera em Sousa no Marizão, surgiram alguns comentários de muito terror em Sobral contra o Dinossauro. Enfático, ético e muito sincero, o treinador Índio do time sousense tratou logo de desfazer essas desculpas. Disse ele que é bem verdade que o ônibus que transportava o alviverde fora apedrejado no sábado, mas, esse foi um fato isolado. Falou que a derrota faltando 15 minutos para o jogo finalizar fora por conta de algumas substituições realizadas por problemas com os seus titulares, os substitutos não deram conta do recado.

Memorial

Com o início da revitalização que está sendo realizada no Estádio Higino Pires Ferreira, começo a sonhar em deixar naquela praça que é o berço do nosso futebol, um pouco da sua história. Temos em nosso acervo, fotografias e documentos que falam deste estádio e entendo que, para que possamos cultuar a memória do nosso futebol, esse nosso desejo é fundamental. O problema reside em conseguir alguns poucos recursos para que possamos organizar todo este acervo de forma segura e que possibilite aos que ali vierem à sua visitação ter uma visão bem legal. Vou bater à porta de alguns amigos para pedir ajuda e você pode ser um deles. Que Deus nos abençoe nessa empreitada e que Cajazeiras possa nos apoiar nesta realização.

BOLA DENTRO

Para a revitalização que passa o Estádio Higino Pires Ferreira neste momento. Nada demais, mas, uma aula de competência, força e vontade e da aplicabilidade de recursos ganhos com o próprio estádio. Merece uma NOTA 10!

BOLA FORA

Para os nossos representantes nas competições dos brasileirinhos. Sousa e Campinense eliminados, já o Botafogo perdeu a terceira consecutiva e o que parecia certeza com relação à sua classificação agora vira dúvida. NOTA 0!

 

Artigos do Colunista

Desenvolvido por Quick
Todos os direitos reservados ao portal Nova Opinião