Reudesman Lopes - reudesman@gmail.com

Natural de Cajazeiras-PB, é Graduado em Educação Física e com Especialização em Ginástica Escolar. Servidor Público Federal da Universidade Federal de Campina Grande, Centro de Formação de Professores de Cajazeiras, Escola Técnica de Saúde de Cajazeiras. Comentarista Esportivo da Rádio Alto Piranhas e Colunista do Jornal Gazeta do Alto Piranhas.

Já era tempo — Por Reudesman Lopes

  • Postado em 24-06-2017

Como me considero um estudioso do futebol, nestas minhas andanças na busca de conhecer e entender melhor este esporte que é o que mais atrai os desportistas do mundo inteiro, jamais entendi a causa da infinita tradição deste em teimar na sua manutenção extremamente arcaica nestes tempos em que vivemos a plena modernidade. Todos os outros esportes mudaram, o Voleibol, o Basquetebol e o Futsal, isso para ficar apenas nestes e não me alongar tanto. Dentre estas mudanças, todas elas deram mais ênfase ao jogo, dentro e fora de campo. Mudou o tempo do jogo, os pontos, a quadra de jogo e até as bolas, com isso houve celeridade nas disputas e assim, os desportistas, começaram a vibrar e participar com mais frequência as suas competições. Pois bem, o futebol, teimosamente, continua em manter a sua cultura de não, mas, se abriu uma luz no fundo do poço e eis que vem ai, pelo menos é o que esperamos, mudanças nas “leis do futebol”. A International Football Association Board que é o orgão da FIFA responsável pelo estabelecimento das regras do futebol, preparou um documento que propõe diversas mudanças. Entre elas, a alteração do tempo de jogo para 60 minutos de bola rolando, com o relógio parando quando a partida estiver paralisada, como funciona no futsal. O documento batizado de “Play Fair” tem três objetivos: melhorar o comportamento do jogador e aumentar o respeito; estender o tempo de bola rolando; e desenvolver a justiça e a atratividade. Na verdade, quem acompanha o futebol sente-se frustrado porque uma partida que teria a duração de 90 minutos tem menos de 60 minutos de bola rolando. As propostas de alterações nas regras do futebol estão divididas em três categorias: as que podem ser implementadas imediatamente; as que estão prontas para testes experimentos e as que precisam ser discutidas. Principais propostas: Que o jogo tenha 60 minutos de bola rolando, com o relógio parando toda vez que a partida for paralisada; Que seja permitido ao árbitro apontar o fim do primeiro ou segundo tempo somente quando a bola parar de rolar; Que os pênaltis não tenham mais rebote, com o intuito de extinguir a invasão de área na cobrança; Que seja permitido cobrar o tiro de meta com a bola rolando; Cartões amarelos e vermelhos para os treinadores; Que seja permitido que o jogador cobre falta, escanteio ou tiro de meta para ele mesmo, sem precisar passar a bola para outro atleta. Mesmo com este sinal de mudanças, elas ainda são, no entender de muitos estudiosos e críticos do futebol, tímidas e precisam ser mais bem entendidas. Evidente que mesmo sobre contestações de muitos, as mudanças propostas já evidenciam que o alto comando do futebol, entendeu que este esporte precisa, urgentemente, de mudar, e elas devem ser feitas em suas leis que são consideradas velhas e ultrapassadas e não acompanharam a evolução do futebol fora de campo, neste caso mudar significará a própria sobrevivência do futebol.

Visitas ilustres

Recebi na minha residência visitas de grandes amigos e que há muito tempo não os via e eles vieram, como parte integrante da história do futebol cajazeirense, buscar os seus livros. Na quinta feira recebi Cilas Barros, o nosso conhecido Bilzinho de seu Nô, que marcou com a sua habilidade muitos dos bons momentos vividos no futebol cajazeirense, hoje ele mora em Fortaleza e como competentíssimo agrônomo presta trabalho no Estado do Ceará. No sábado, com muita alegria, foi a vez de recebermos Joan, que após 36 anos voltou a terrinha para rever amigos e familiares, ele foi um dos grandes goleiros da nossa cidade e pegou pelo Caranguejo de Zé de Sousa, Duque de Caxias, entre outros. Dois bons momentos de papo, sobre a bola e a nossa cidade, satisfação enorme em vê-los.

Milagre

Com 6 pontos, na terceira colocação, e tendo que vencer na última rodada e esperar uma série de combinações o Sousa terá mais um enorme complicador no seu sonho de passar a segunda fase do brasileiro da Série D, vai enfrentar o Central de Caruaru em Caruaru e com o time da casa precisando da vitória para se garantir na próxima fase desta competição. A verdade é que, assim como foi no Campeonato Paraibano desta temporada, o Dino tremeu em jogos realizados em Sousa no Marizão e deixou preciosos pontos que agora serão difíceis de recuperar. O discurso é de otimismo entre os dirigentes e comissão técnica, mas, a torcida do time sousense já jogou a toalha e não acredita em milagre.

BOLA DENTRO

Para o Botafogo PB que continua acelerando a sua corrida em busca do mata mata para a Série B. Em João Pessoa a torcida acredita que desta vez o time sobe de categoria. Parabéns ao Belo com a NOTA 10!

BOLA FORA

Para a briga generalizada entre facções de torcidas do Botafogo PB e do Remo. Prisões e citações dos acontecimentos na súmula do jogo. Pelo visto vem problema para o time da Paraíba. NOTA 0!

 

Artigos do Colunista

Desenvolvido por Quick
Todos os direitos reservados ao portal Nova Opinião